Placenta Prévia: conheça a condição que pode causar complicações durante o parto

Olá, meninas. Hoje eu vou falar sobre a Placenta Prévia.

A placenta prévia incide em 0,5 a 1,0% das gestações sendo que ocorre com maior freqüência nas mulheres multiparas (mais de 2 gestações) e em gestante com idade mais avançada. Outros fatores predisponentes são: história de abortamento, cesarianas, gravidez gemelares

A placenta é a estrutura uterina com a função de alimentar e prover oxigênio para o feto. É comum que, no início da gestação, esse órgão se aloje na parte inferior do útero e se mova para cima conforme a gravidez progride e a barriga cresce.

Por outro lado, quando a placenta se mantém na parte baixa do útero e se implanta nesse local, desenrola-se a condição que chamamos de Placenta Prévia. Nesses casos, o órgão cobre total ou parcialmente o colo do útero, e, portanto, dificulta a saída do bebê via vaginal, pelo parto normal.

O diagnóstico é clínico e ultra-sonográfico. Clinicamente, pela história da paciente, é relatada perda sanguínea  por via vaginal, sem dor, súbita, de cor vermelho-viva, em geral de pequena quantidade. 

O acompanhamento pré-natal é extremamente necessário por se tratar de uma complicação que pode causar risco de morte materno e fetal.  

A via de parto dependerá, além das condições da mãe, do tipo de placenta prévia. Nas marginais (a margem placentária atinge a borda do colo uterino, sem ultrapassá-lo) a via preferencial é a vaginal. Para as totais ou parciais (atinge total ou parcialmente o colo uterino, respectivamente), a indicação de cesariana.

Cuide-se e cuide bem de quem você ama.

 

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

0 Comentários